Seu streaming brasileiro de Rock!
Notícias

Consumo de música foi válvula de escape para público passar por 2020

2 min leitura

Que o ano de 2020 foi complexo para todos e que muitos se agarraram às artes e, principalmente, à música para passar por ele é sabido. Mas o quanto esse consumo cresceu no último ano?

CONSUMO DE MÚSICA

Uma pesquisa inglesa se propôs a responder essa questão, realizada pela BPI (British Phonographic Industry), aponta um total de 155 milhões de álbuns comercializados ou transmitidos durante 2020. O número é 8,2% superior ao observado em 2019.

O crescimento foi liderado pelo streaming, com mais de 139 bilhões de streams durante o ano, um aumento de 22% em relação a 2019 e a modalidade já responde por mais de 80% do consumo de música no Reino Unido.

“O desempenho da música gravada em 2020 foi marcante e nos lembra o quanto a música é importante para o nós, mesmo quando nossas vidas estão perturbadas. Mas qualquer satisfação que possamos ter é temperada pelo impacto devastador da pandemia na música ao vivo. A música gravada é apenas um elemento da renda dos artistas, e renovamos nossos apelos ao governo para apoiar nossos locais, casas noturnas e festivais culturalmente importantes até que possam reabrir com segurança”, afirma Geoff Taylor, CEO da BPI.

A pesquisa destaca o crescimento dos artistas britânicos em todas as formas de consumo de música, desde streaming até físicos, com vinis, CDs e K7s. Nessa lista, destacam-se dois nomes do novo post-punk britânico, Idles, com seu “Ultra Mono” e Fontaines DC, com “A Hero’s Death”, que se mantiveram firmes com novos lançamentos e conseguiram boas colocações nas paradas do país, concorrendo com grandes nomes do pop, como Elton John, Ed Sheeran, Dua Lipa, Billie Eilish, entre outros.

BRASIL

Uma pesquisa encomendada pela ABRAMUS (Associação Brasileira de Música e Artes) apontou que o brasileiro ouve muita música. De acordo com o estudo, 79% dos brasileiros ouvem música diariamente, sendo que 50% costumam ouvir o dia todo ou a maior parte do dia. No entanto, apenas 47% do público costuma gastar dinheiro com música, nisso engloba-se desde comprar um disco a pagar por uma plataforma de streaming.

O celular é a principal forma por onde as pessoas escutam música, usado por 86%  do público. Computadores (54%) e rádio (43%) fecham as três primeiras principais formas utilizadas pelo brasileiro para ouvir música (a pesquisa aceitava mais de uma resposta por forma).

Um dado interessante, é o fato de CDs/DVDs representarem a escolha de 20% das pessoas, na hora de ouvir música. No entanto, outra mídia física, o vinil, foi citada apenas por 2% dos entrevistados.

Já no estilo musical preferido, o rock ficou com o quarto lugar, com 43% da escolha do público, atrás de Pop, Sertanejo e MPB.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *